RSS

Slave Mentality/ William Linch

A origem dos conflitos étnico-raciais.

 

Já ouviu falar da síndrome de Willy Linch?

 

Consciente ou inconscientemente vivemos e convivemos com este mal todos os dias, por isso vale a pena sabermos um pouco mais sobre a origem do problema para que saibamos identificar quando estivermos diante de mais uma vítima desta doença psicológica, ou melhor, quem sabe se fazendo uma autoavaliação descobrimos que também somos um portador da mesma.

Alemanha – Desde 1993, tem sido amplamente difundido entre os “negros” residentes nos Estados Unidos da América e em alguns círculos das comunidades “negras” na Grã-Bretanha, um documento, que já ficou conhecido como “a carta de Willy Lynch”.

Apesar de historiadores e outros grandes estudiosos de renome questionarem e até rejeitarem em muitos casos a autenticidade do documento (alegadamente escrito no sec. XVIII e que reapareceu do “nada” em 1993), figuras importantes das comunidades afro-americanas tem insistido não só na autenticidade do documento como também na sua divulgação, principalmente entre as comunidades “negras”.

Uma destas figuras importantes é Louis Farrakhan o líder do movimento afro-americano “Black Muslims”. Em 1995 em Nova York, num famoso discurso transmitido em directo por várias estações televisivas, Louis Farrakhan se referiu pela primeira vez á carta de Willy Lynch publicamente, classificando-a como um “documento terrível mas verdadeiro, que constitui uma prova inequívoca e inegável das astúcias iníquas do chamado ‘homem branco’ contra o chamado ‘homem negro’ ao longo das últimas gerações”.

Visto que acredito serem poucos os angolanos que já tenham ouvido falar ou lido sobre Willy Lynch, decidi tomar hoje a iniciativa e fazer uma reflexão sobre o assunto.

Quem é afinal de contas, Willy Lynch? Qual o conteúdo e propósito da sua carta? Porquê que Louis Farrakhan se refere á carta de Willy Lynch como um “terrível documento”? E que importância tem para nós angolanos, e acima de tudo africanos, o conhecimento do conteúdo da carta de Willy Lynch?

Para encontrarmos as respostas a estas perguntas, precisamos fazer uma viagem imaginária até ao sec. XVIII. Mais precisamente no ano de 1712.

Quem era Willy Lynch?

William Lynch (o nome William foi mais tarde abreviado para Willy) foi um colonizador e proprietário de escravos de naturalidade britânica no sec.XVIII, no Caribe (Caraíbas) conhecido por manter os seus escravos disciplinados e submissos. Acredita-se que o termo “linchar” (to lynch, lynching: em inglês), se deriva do nome dele. Enquanto a maioria dos europeus na altura se confrontava com problemas como fugas, revoltas (violentas) colectivas e individuais de escravos, Willy Lynch mantinha aparentemente um controle e ordem absoluta sobre os seus serventes “negros”. Segundo se diz, os escravos de Willy Lynch amavam mais ao próprio “mestre” do que uns aos outros. Se algum dos seus escravos tentasse fugir ou criar alguma revolta, logo era traído por outros companheiros igualmente escravos e igualmente “negros”. Esse aparente poder sobre os seus escravos despertou o interesse e a curiosidade de muitos fazendeiros americanos e britânicos que haviam estabelecido colónias no território da Virgínia, América do Norte. Agastados com as constantes insurreições de escravos nas suas fazendas, os fazendeiros americanos decidiram convocar Willy Lynch para Virgínia, a fim de ajuda-los a manter o controlo sobre os seus escravos.

Em meados de 1712, Willy Lynch faz a longa viagem do Caribe para a América do norte. Após a sua chegada em Virgínia, e após constatar em loco alguns dos problemas que os seus “Colegas terroristas” enfrentavam com os escravos raptados de África, Willy Lynch decide escrever uma carta onde ele revelaria o seu segredo para manter os seus escravos na “linha”; (algumas versões dizem que ao invés de uma carta, Willy Lynch fez um discurso perante dezenas de proprietários de escravos, onde revelou o seu “segredo”; este discurso foi mais tarde compilado em forma de cartas, e distribuído a vários fazendeiros e colonos não só na América, como também em África, ilhas Canárias, e Ásia). Com a carta, Willy Lynch pretendia que seu método fosse divulgado e implementado por todos os proprietários de escravos da colónia de Virgínia e não só. Willy Lynch expõe o seu orgulho quando escreve na carta que o seu método podia deixar os escravos sob o seu domínio “por centenas, talvez milhares de anos”.

Qual era o segredo de Willy Lynch?

Prestemos todos agora muita atenção á carta de Willy Lynch. É importante que cada um de nós como africanos, leiamos o que se segue, e que cada um de nós se questione até que ponto o método de Willy Lynch poderá ter influenciado naquilo que hoje se classifica como “mentalidade de escravo”.

 

A Carta de Willy Lynch.

 

Após as saudações iniciais e manifestar o seu apreço pelo interesse dos fazendeiros americanos em conhecer o seu método para manter os seus escravos submissos, Willy Lynch passa então a revelar o seu “segredo”:

” Verifiquei que entre os escravos existem uma série de diferenças” começa Willy Lynch. “Eu tiro partido destas diferenças, aumentando-as. Eu uso o medo, a desconfiança e a inveja para mantê-los debaixo do meu controle (…) Eu vos asseguro que a desconfiança é mais forte que a confiança, e a inveja mais forte que a concórdia, respeito ou admiração”.

A seguir, Willy Lynch passa explicar de que maneira faz uso das aparentes diferenças existentes entre os escravos: “Deveis usar os [escravos] mais velhos contra os [escravos] mais jovens e os [escravos] mais jovens contra os [escravos] mais velhos. Deveis usar os escravos mais escuros contra os escravos mais claros e os escravos mais claros contra os escravos mais escuros. Deveis usar as fêmeas contra os machos e os machos contra as fêmeas. Deveis usar os vossos capatazes para semear a desunião entre os negros, mas é necessário que eles [os escravos] confiem e dependam apenas de nós”. Mais adiante, no fim da carta, Willy Lynch acrescenta em jeito de despedida: ” Meus senhores, estas ferramentas são a vossa chave para o domínio, usem-nas. Nunca percam uma oportunidade (…) se fizerdes intensamente uso delas por 1 ano o escravo permanecerá completamente dominado”.

Como podemos interpretar o método de Willy Lynch? Numa só frase: “dividir para dominar”. Willy Lynch usava as diferenças de idades e de sexo para meter os escravos uns contra os outros. Usava também a cor da pele (os mais escuros contra os mais claros e vice-versa), para semear a divisão, a desconfiança e o medo entre os seus escravos. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, os escravos mais claros eram os mais populares, o que atraía o ódio dos escravos mais escuros, provocando divisão entre ambos os grupos. Willy Lynch criava entre os seus escravos sentimentos de inferioridade em alguns por serem mais velhos ou mais jovens, mais claros ou mais escuros; incutia na mente dos machos que as fêmeas “negras” não tinham beleza nem valor, fazendo com que os seus escravos sentissem mais admiração pela mulher branca; de igual modo, incutia na mente das fêmeas “negras” que o homem “branco” era mais atraente e mais inteligente que o homem “negro”; incutia a desconfiança psicológica entre eles, de modos a que pudessem confiar inteiramente apenas no seu patrão “branco”, como se de “deuses” se tratassem. Dividir para dominar. Com esta fórmula bem estudada e implementada, Willy Lynch chegou a gabar-se dizendo: “O escravo depois de doutrinado desta maneira, permanecerá nesta mentalidade passando-a de geração em geração”.

O método de Willy Lynch rapidamente se tornou popular. Em todos as colónias, o método de conquista que passou a ser adoptado era o mesmo: dividir para dominar. Os escravos doutrinados com as ferramentas psicológicas de Willy Lynch passariam então a padecer de uma enfermidade mental que hoje é classificada em alguns círculos como a ” síndrome de Willy Lynch”, ou seja, a mentalidade de escravo. Mas até que ponto foi o método de Willy Lynch eficaz? Tomemos como exemplo, Ruanda.

Anaíse Risagina é uma refugiada do Ruanda (tutsi), de 27 anos de idade, actualmente residente no reino da Holanda. Visto que somos bons amigos, recentemente andamos a conversar sobre os acontecimentos de Ruanda em 1994. Pedi a Anaíse, que me relatasse de maneira resumida, as causas que estiveram na origem daquele conflito genocídio. Através de um e-mail, Anaíse me respondeu com as seguintes informações interessantes:

” Sempre houve alguma tensão entre a maioria hutus e a minoria tutsis no Ruanda, mas antes do período colonial as divergências entre ambos os grupos não era coisa muito séria. Os dois grupos étnicos não tem muitas diferenças entre um e outro, fisicamente um Hutu pode ser confundido com um tutsi. Mas, alguns tutsis são realmente mais claros, mais altos, e alguns que habitam mais a norte têm uma aparência que se assemelha mais aos somalis ou aos etíopes. Mas falamos a mesma língua, gostamos da mesma comida, habitamos nas mesmas áreas e temos as mesmas tradições (…) mas quando os colonialistas belgas chegaram em 1916 eles é que viram diferenças entre os dois grupos étnicos. Para eles éramos entidades distintas e até produziram diferentes cartões de identidades para cada uma das etnias (…) classificavam as pessoas de acordo com a etnia (…) mas antes deles chegarem nós não víamos estas diferenças que eles viram”.

Segundo Anaíse, “os belgas consideraram os tutsis como superiores aos hutus e os tutsis é claro que também ficaram a gostar (…) dizem que mediam os narizes dos hutus e tutsis e eles diziam que os tutsis tem o nariz mais fino (…) nos 20 anos seguintes os tutsis lhes davam melhores empregos e até melhores oportunidades para estudar do que os seus vizinhos hutus…”

Pelo relato de Anaíse, fica mais do que evidente o método de Willy Lynch: dividir para dominar foi o método utilizado pelos belgas. Em 1962, quando os belgas concederam independência á Ruanda, os hutus assumiram então o controle do poder. Logo os tutsis se tornaram os bodes expiatórios para todas as desgraças. Ambos os grupos estavam assim infectados pela “síndrome de Willy Lynch”, uma doença “terrível”, que segundo Lynch, “séria passada de geração a geração”. A desconfiança entre as duas etnias se agravou a ponto de explodir como vimos acontecer em 1994.

Em Angola não foi diferente. Quando os terrorístas-colonialistas portugueses ocuparam o nosso território, o método de Willy Lynch foi a ferramenta usada para a conquista psicológica do nosso povo. Passaram a dividir os angolanos entre os assimilados e os indígenas. Os assimilados, ganhavam este “status” depois de mostrarem que dominavam melhor a língua portuguesa, que estavam melhor integrados na cultura e na sociedade portuguesa, e os que em certa medida tivessem tido maiores oportunidades educacionais. Os indígenas, eram os analfabetos, os que por livre vontade ou que por falta de oportunidade não tiveram acesso ao estudo, ou á integração á cultura portuguesa; eram aqueles que usavam a língua regional como meio de comunicação e a cultura africana como modo de vida. Por darem mais vantagens aos assimilados, os terroristas-colonialistas passavam uma mensagem clara aos desgraçados indígenas: aquele grupo [os assimilados] era o predilecto. Era o grupo “abençoado”, o grupo dos merecedores. Tinham acesso aos melhores empregos, podiam trabalhar directamente até no gabinete com o “branco”. Compreensivelmente, toda esta situação criou o ódio dos indígenas pelos seus “irmãos assimilados”, pois estes [os indígenas] passaram a ver os seus irmãos como um entrave a conquista da independência. Ambos os grupos na verdade já estavam afectados pela “Síndrome de Willy Lynch”. Mas os terrorístas-colonialistas portugueses não ficaram por aí. Eles decidiram usar mesmo a fundo o método de Willy Lynch. Para criar ainda mais divisão entre as diferentes raças de angolanos, os “Lynchistas” incutiam na mentalidade dos mais claros o sentimento de “superioridade” em relação aos mais escuros. Estes, apenas pela cor da pele, tinham acesso mais fácil aos empregos e a escola em relação aos mais escuros. Estava assim criado o cenário para que a “Síndrome de Willy Lynch” se espalhasse entre o nosso povo (que doença maldita!) e a sua dose foi tão forte que pelos vistos, tem sido passada de “geração em geração”. Prova de que esta doença ainda prevalece entre nós angolanos, é o seguinte comentário feito recentemente por alguém que assina como “Bantu melhorado (mulato) ” no site club-k.net. Ele escreveu o seguinte:

” Os mulatos, também somos bantus…bantus superiores…porque melhoramos a raça…estamos geneticamente melhorados…todo negro inteligente, deve casar uma branca para melhorar a raça! (…) se os mulatos estivessem no poder em Angola, como em Cabo-verde, este séria sem duvidas um pais melhor”.

Considerar-se melhor apenas por ser “mulato” revela que a “Síndrome de Willy Lynch” continua a causar mal á mente de muitas pessoas. É exactamente esse o tipo de mentalidade que Willy Lynch quis introduzir em todo homem “negro”. Fazer-lhe pensar que é superior por ser mais claro em relação aos outros. Fazer-lhe sentir-se melhor, e mais capaz apenas por ser mais claro. Tudo mentira. Tudo um método de conquista psicológica, que infelizmente ainda causa divisão entre nós. Mas não é só “a síndrome de Willy Lynch” que ainda prevalece. Ainda existem muitos daqueles, de pele considerada “branca”, que tem a “mentalidade de Willy Lynch”. Essa minha afirmação pode ser confirmada por um outro comentário expresso no club-k.net, cujo conteúdo é conhecido pelos que frequentam o referido site. Diz assim:

” Ser negro já é difícil, mas negro e burro é uma desgraça”.

Assim tem comentado alguém que diz ser “Branco da Capital”. Ao ler este tipo de comentário, me apercebo que afinal, não existe mesmo raça superior a outra. Todos cometem “gafes” absurdas. Mas há ainda outro pormenor que este comentário me revela: nós os “pretos”, sei lá se por causa da “Síndrome de Willy Lynch” ou não, encaramos o “branco” como pessoas que estudaram mais, e que por natureza, são mais inteligentes e civilizados. Os comentários do “Branco da Capital” confirmam que afinal nós “os pretos” andamos a séculos enganados!

Mas há ainda outro factor a considerar: que efeito deve ter sobre nós, o conhecimento da carta de Willy Lynch?

A Carta de Willy Lynch e você

A primeira vez que li a carta de Willy Lynch, passei a perceber melhor as causas de muitos problemas dos africanos. Comecei a perceber melhor os efeitos que a escravidão e o colonialismo tiveram sobre o nosso povo. Um dos piores efeitos, é que o colonialismo retirou o amor aos africanos. Os africanos passaram a odiar-se por coisas aparentes mas quase nunca por coisas reais. Decidi quebrar a corrente. Comecei a perceber que afinal, não tenho nada que odiar alguém por ser mais claro ou mais escuro do que eu. Não tenho nada que chamar alguém de Zazá ou zaicó-langa langa, apenas por se expressar num português deficiente. Descobri que é fútil julgar as pessoas pelas suas origens étnicas, cor da pele, ou língua regional. Afinal somos todos africanos, somos todos irmãos da mesma terra e do mesmo continente, mas de certa maneira, “divididos” pela terrível doença que é a “Síndrome de Willy Lynch”.

Sempre que você julgar alguém por ser Bakongo…ou de outra etnia qualquer…lembre-se de Willy Lynch!

Sempre que você conceber ou apoiar ideias que instiguem ao racismo e todo tipo de íamos entre os africanos…lembre-se de Willy Lynch!

Sempre que você sentir-se inferior apenas por ser do norte ou do sul…lembre-se de Willy Lynch!

Sempre que você julgar que por casar com uma branca estás avançando a raça…lembre-se de Willy Lynch!

E sempre que você sentir-se inferior quando estiver ao lado do “branco”, apenas por seres “negro”…lembre-se de Willy Lynch!

 

6 responses to “Slave Mentality/ William Linch

  1. carlos ribeiro

    Setembro 19, 2012 at 3:08 pm

    espalhem esta informacao por mais sitios por favor, willy lynch esta a ganhar😦

     
  2. Hilário

    Novembro 27, 2012 at 9:42 pm

    Gostei, apenas 16 anos ii percebe muita coisa com esse documento ou pesquisa, e acho que mais coisas do género fariam bem a nossa sociedade, principalmente nos adolescentes e jovens !! !!!

     
  3. paulo

    Novembro 27, 2012 at 10:01 pm

    li e partilhei faz o mesmo

     
  4. Eliezer

    Dezembro 2, 2012 at 1:20 am

    Muito da hora!!!

     
  5. Andreia

    Dezembro 9, 2012 at 8:05 pm

    5***** A pessoa que fez este artigo, confesso que não gosto dos mulatos nem brancos, de mulatos por se acharem donos de tudo e melhores que tudo (esquecendo.me que so por achar isso estou a pensar como eles) nem de brancos por tbm olharem os negros como raça inferior pelo menos a maioria, e reflecti sobre este facto e acredito plenamente que seja verdade apesar de nunca querer “avançar” a minha raça pois acho-a perfeita assim.
    Acho que este artigo deveria ser muito mais divulgado com vista a quebrar essa doença/maldição que ira assombrar-nos por muitos e muitos anos mais se nada for feito.
    Agradeço a pessoa escreveu isso por me ter ilucidado e sempre que eu for chamar alguem de langa, dar olhada a um branco ou mesmo responder mal a um mulato irei me lembrar de Willy Lynch e mudar o meu comportamento pois são meus irmãos tbm.
    Um grande abraço ao autor/autora bjs

     
  6. N

    Março 20, 2013 at 3:56 am

    Vi este artigo acidentalmente e deixo desde já os parabéns a quem o escreveu. Sou branco e português e sei muito pouco da cultura africana. Tive família em Angola e acreditem que a vossa cultura os marcou bastante…tanto que se nota um brilho nos olhos do meu pai de cada vez que se fala daqueles tempos, tanto que a mh tia ainda hoje procura em sites por colegas angolanos do seu tempo de miúda.
    Pessoalmente tive colegas de escola pretos e mulatos aqui em Lisboa (filhos de generais e ministros de países africanos – sobretudo Angola, Guiné-Bissau e Moçambique) com quem partilhei muitos momentos tanto felizes como tristes. Como é natural dei-me mlhr com uns do que outros, mas nc os vi serem excluidos por serem “pretos em terra de brancos”. Não quero com isto dizer que não há racismo…infelizmente há, mas quero acreditar que a mentalidade relativamente a isso irá melhorar. Actualmente não tenho amigos pretos (excepto aqueles da mh adolescência com quem ja n mantenho tanto contacto mas haja facebook que conseguimos spr ver como anda este e aquele) mas nc por motivos racistas afastei ng.
    Concordo com td o que esta no artigo e é triste ler sobre estas insanidades do passado mas não podemos negar tb a ligação entre a comunidade de países que falam português…são factos históricos que nos unirão sempre e que nos moldaram culturalmente.
    A realidade é que…branco, preto, mulato, asiático…o ser humano é tão capaz de actos nobres e inteligentes como negligentes e burros.
    Cumprimentos e divulguem isto que merece ser lido😉

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: